terça-feira, 23 de agosto de 2016

Redes sociais: perigos concentrados entre os 8 e 12 anos

Micaela Ortega de 12 anos. Seu assassino (preso) a enganou por meio de Facebook.
Micaela Ortega de 12 anos. Seu assassino (preso) a enganou por meio de Facebook.
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs




Um caso horrível verificou-se na Argentina. Micaela Ortega, de 12 anos, foi assassinada após encontrar-se com um homem de 26 que conheceu pelo Facebook.

As crianças de 8 a 12 anos presas à Internet constituem o grupo mais vulnerável para um abusador sexual, alertou o procurador argentino Horacio Azzolín, da Unidade Especializada em Ciberdelinquência (Ufeci).

Segundo especialistas citados pelo diário “La Nación” de Buenos Aires, os pais que começam a se preocupar com a vida virtual de seu filho quando esse faz 12 anos estão chegando tarde.

Ainda são crianças, mas não estão mais na infância. Tudo as encaminha precocemente para a vida adulta, mas não desenvolveram os mecanismos psicológicos para viver entre adultos.

Só viveram absorvidas por relações virtuais, quase sem contato com o mundo, e são ignorantes e inermes face aos perigos do mundo real.

“Ë preciso começar mais cedo, pois a partir dos 8 anos já correm risco”, disse Sebastián Bortnick, presidente da ONG argentina Cibersegura, que promoveu a lei que transformou em delito o acosso sexual a menores pela Internet e outros meios eletrônicos.

Redes como Facebook só admitem usuários com mais de 13 anos, mas o uso dessa rede social por parte de crianças é generalizado. “Sete de cada dez meninos e meninas entre 10 e 12 anos já criaram um perfil numa rede social”, afirma Roxana Morduchowicz, doutora em comunicação pela Universidade de Paris.

“Nós nos reuníamos para brincar na casa de um amigo, na rua ou na praça, mas hoje as crianças se encontram na Rede”, diz ela.

Crimes sexuais se multiplicam nas redes sociais e pais não devem ter medo de falar com seus filhos.
Crimes sexuais se multiplicam nas redes sociais.
Pais não devem ter medo de falar com seus filhos.
A tendência à autonomia manifestava-se desde os 13 anos e se definia aos 18 ou com o primeiro trabalho, mas hoje se faz pelas redes sociais e muito mais cedo.

Há poucos meses, a mãe de Antonella, 12, entrou no perfil de Facebook da filha. Nas conversações privadas desta, achou mensagens de um colega de escola pedindo-lhe fotos dela nua e propondo-lhe encontros sexuais.

A mãe ficou espantada com a resposta da filha: ela recusava essas propostas, mas não com a firmeza que a mãe desejava. E sua filha não tinha comentado nada sobre a situação.

A ONG argentina “Alerta Vida”, que estuda o problema, detectou que no país vizinho sete de cada dez menores sofreu algum tipo de acosso sexual enquanto navegava pelas redes sociais.

O Conselho de Meninos, Meninas e Adolescentes de Buenos Aires calculou que um de cada dois adolescentes entre 14 e 17 anos efetivou um encontro com um desconhecido contatado pelo Facebook e só dois de cada dez sentiu medo.

“Temos de fornecer aos nossos filhos as ferramentas de reflexão e pensamento crítico para duvidar das propostas antes dos 11 anos. Se você não olha os perfis dos filhos antes de 12, vai encontrar surpresas, vai ver que houve conversas antes”, explica Marcela Czarny, da ONG Chicos.net.

Essa ONG verificou que 85% dos pais argentinos se acham preparados para enfrentar os riscos. Porém, eles se limitam aos conteúdos e o tempo dedicado ao monitor, e não observam que os filhos acessam a Internet desde seu smartphone em qualquer parte sem controle.

Conferência sobre crimes sexuais online contra crianças. Preocupação até na Indonésia.
Conferência sobre crimes sexuais online contra crianças. Preocupação até na Indonésia.
“Os pais, com ou sem intenção, procuram escusas para não vigiar. É errado achar que os filhos sabem mais do que a gente. Eles só têm o conhecimento instrumental, mas muitas vezes não percebem a dimensão do perigo.

“É preciso lhes falar dele, perguntar o que eles fizeram esse dia na Internet, o que viram, com quem falaram. Não como um controle policial, mas como um tema de conversação.

“Faz bem às crianças sentirem que nós estamos presentes, que podem conversar conosco sobre o que fizeram e com quem falaram”, diz Morduchowicz.

“A linha da proteção, do controle e da espionagem é fininha, mas cada pai tem de agir”, explica Bortnick.

“O que não pode acontecer é o pai se desentender. É preciso criar nos filhos a ideia de que estão sendo observados para o seu bem. Não podemos ignorar as redes que eles usam, seja Facebook, Instagram ou Snapchat. Não fazer isso enquanto pais é olhar para o outro lado”.


terça-feira, 16 de agosto de 2016

“Ideologia de gênero” e “verdes”
saem ridicularizados em Parlamento alemão

Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs




O deputado alemão Steffen Königer, católico de 45 anos e pai de duas crianças, deixou em ridículo a presidência do Parlamento regional de Brandenburgo, nordeste da Alemanha, segundo narrou o site “Religión en Libertad”.

Empresário, Steffen especializou-se em Psicologia, Ciências Políticas e História. Em outubro de 2014 foi eleito deputado pelo partido AfD [Alternative für Deutschland, Alternativa para Alemanha], agrupação oposta à tirania antifamília e antipropriedade privada imposta pela União Europeia, superestrutura ditatorial que está favorecendo agora a invasão dos muçulmanos.

Em 9 de junho votava-se uma proposta do Partido Verde, de extrema-esquerda, favorável à “Campanha pela aceitação da diversidade sexual e de gênero e a autodeterminação contra a homofobia e a transfobia (sic!) em Brandenburgo”. A iniciativa visceralmente anticristã incluía o reconhecimento de mais de 60 sexos diferentes (sic!).

Steffen subiu no estrado para emitir seu voto contrário à imoral proposta.

Antes de emiti-lo, começou a saudar a todos os presentes com linguagem inclusiva, como aconteceria se o projeto fosse aprovado.

Ele deu início então à saudação correspondente a cada uma das dezenas de identidades sexuais propostas, as quais não são de sua invenção, mas dos ‘ideólogos de gênero’. E esclareceu posteriormente que poderia ter lido ainda mais uma centena de outras, relativas a novos ‘sexos’.

Em certo momento, Dieter Dombrowski, o vice-presidente da Câmara que presidia a sessão, talvez cansado pela intérmina saudação, interrompeu Steffen, perguntando-lhe o que ia dizer.

Steffen lhe respondeu então que ainda não tinha terminado o cumprimento inicial de praxe. Boa parte dos presentes caiu na gargalhada.

E prosseguiu com a saudação protocolar a cada um dos “sexos” propostos pelos “verdes”.

Completado o intérmino cumprimento, ele anunciou simplesmente que seu grupo votaria contra essa proposta ecologista.

O vídeo viralizou, obtendo rapidamente centenas de milhares de visualizações em Youtube.

O absurdo da proposta “verde”, que agia como porta-voz da Revolução Sexual, ficou exposto em todo o seu ridículo.

Deixarão com isso os “verdes” e os “ideólogos de gênero” sua ofensiva contra a família?

Acreditamos que não, pois eles recusam a razão e o bom senso. Só parecem ouvir os abstrusos e desesperados bramidos que emergem das profundezas sinistras da irracionalidade anárquica que odeia Deus.


Vídeo da posição de Steffen Königer (legendado em inglês):
60 “gêneros diferentes”. A aliança “Verdes”-LGBT em ridículo num Parlamento alemão:




Vídeo da posição de Steffen Königer (legendado em espanhol):



terça-feira, 9 de agosto de 2016

“Pastoras nunca mais!”, pedem luteranos.
“Diaconisas e sacerdotisas!”, pede o “progressismo católico”

Aija Graham, obispa' da 'Igreja Evangélica Luterana Unida da Letônia', eleita em 2014. Desacordo geral.
Aija Graham, obispa' da 'Igreja Evangélica Luterana Unida da Letônia',
eleita em 2014. Desacordo é geral.
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs




O Sínodo da igreja evangélica luterana da Letônia aprovou, com maioria de 77%, a interdição de nomear mulheres pastoras.

Ela anulou assim a norma de 1975, emanada ainda sob a dominação soviética, informou Riforma.it, quotidiano das igrejas protestantes da Itália.

A velha norma foi repelida em proporções massivas. De fato, já não havia condições para uma mulher ser aceita como pastora.

Os luteranos não conseguiam fugir com honradez dos ensinamentos de São Paulo na sua primeira carta a Timóteo:

11. A mulher ouça a instrução em silêncio, com espírito de submissão.

12. Não permito à mulher que ensine nem que se arrogue autoridade sobre o homem, mas permaneça em silêncio.

Ignorantes do verdadeiro sentido dos textos evangélicos, os setores mais avançados do luteranismo acusavam estultamente de “machista” a voz do Espírito Santo, expressa através da pena do Apóstolo das Gentes.

Na realidade, os luteranos tinham posto em prática o ensinamento não de Deus, mas daquele que se proclamou mais sábio do que Deus: o heresiarca e pai do protestantismo, Martinho Lutero.

A “livre interpretação”, erro pregado por Lutero, defende que cada um deve interpretar a Bíblia como bem entende. O progressismo dito católico glosa a mesma estultice, mas insistindo que não é cada um, mas a comunidade segundo o capricho coletivo.

Mas fatos são fatos, e os luteranos da Letônia deram um “basta” às pastoras.

Não faltaram outros protestantes para se revoltar sem congruência contra seus cúmplices na heresia.

Seminaristas luteranas femininas em Jerusalém.  Na Letônia, seus correligionários não querem pastoras.
Seminaristas luteranas femininas em Jerusalém.
Na Letônia, seus correligionários não querem pastoras.
A Federação Luterana Mundial manifestou “profundo desconcerto pela decisão que ameaça as relações com outros componentes de nossa comunhão e põe em risco as relações ecumênicas com outras confissões”.

Mas se a interpretação da Bíblia é livre, como pregou tumultuosa e fraudulentamente Lutero, não se entende por que esses luteranos se opõem à interpretação dos outros, ainda que seja um disparate.

Dita Federação defendia que a “ordenação” de pastoras era um dos poucos pontos partilhados por 90% do mundo luterano. Nem mesmo a divindade de Jesus suscita acordo entre as seitas luteranas.

O “arcebispo” (os luteranos não têm sacramentos, os títulos são caprichosos ou pecuniários) letão também foi acusado de “homofóbico”, depois de colocar na rua o pastor Maris Sants por sua atitude tolerante em relação à homossexualidade.

Na Letônia, cerca da quarta parte dos dois milhões e meio de habitantes é composta por luteranos, e a Igreja evangélica luterana letã integra o Conselho ecumênico das igrejas, sediado em Genebra.

Ali o embaraço atingiu as estrelas diante dessa decisão antiecumênica, num momento em que do Vaticano chegam as mais alarmantes notícias sobre concessões assombrosas aos erros de Lutero.


segunda-feira, 1 de agosto de 2016

Muçulmanos tornam-se católicos e ingressam na “Igreja das Catacumbas” no Oriente… e no Ocidente!

O Pe Gottfried Martens batiza família iraniana em Berlim. Ex-muçulmanos constituem maioria dos 900 paroquianos.
O Pe Gottfried Martens batiza família iraniana em Berlim.
Ex-muçulmanos constituem maioria dos 900 paroquianos.
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs



A grande mídia fala muito pouco, mas um número crescente de refugiados muçulmanos na Europa está se convertendo ao cristianismo, escreveu o jornal britânico “The Guardian”, citado pelo site “Aleteia”.

Na Áustria, por exemplo, só no primeiro trimestre de 2016 a Igreja Católica registrou 300 pedidos de batismo de adultos, 70% dos quais eram refugiados.

Os fiéis da igreja da Trindade, em Steglitz, Berlim, aumentaram há dois anos de 150 para 700, devido, segundo o pároco Gottfried Martens, às conversões de muçulmanos.

Em Liverpool, Inglaterra, a maioria das cerca de 100 a 140 pessoas que assistem à missa semanal em língua farsi é constituída por imigrantes do Irã e do Afeganistão. Um em cada quatro deles é convertido do islã, conforme levantamento realizado pelo bispo de Bradford, Dom Toby Howarth.

A conversão é uma questão delicada, porque o Corão rotula de apóstatas aqueles que se tornam cristãos e manda matá-los.

Por outro lado, nos círculos eclesiásticos católico-progressistas há muito medo de falar sobre o assunto, para não ofender o “ecumenismo”! Muitas almas que procuram Jesus Cristo são afastadas das igrejas como cães sarnentos para evitar complicações com o bispo ou o imã local!

Uma vez que massas islâmicas invadem a Europa, chegou a hora de os religiosos com verdadeira fé tomarem a iniciativa e pregar-lhes o Evangelho com ensinamentos e exemplos de vida.

Isso já aconteceu quando os bárbaros invadiram Europa através de quase todas as suas fronteiras. Muitos religiosos – pregadores ou monges – foram martirizados nessa épica e santa obra de evangelização ordenada por Jesus Cristo.

Mas, por fim, o continente europeu ficou pacificado sob o signo da Cruz, e os bárbaros saíram de sua situação miserável para integrar ou formar os países que são fulcros de civilização cristã e ocidental.

Zonoobi, marceneiro iraniano de Shiraz, chegou na Alemanha com sua mulher e dois filhos. Meses depois ficou cristão.
Zonoobi, marceneiro iraniano de Shiraz,
chegou na Alemanha com sua mulher e dois filhos. Meses depois ficou cristão.
O cardeal suíço Kurt Koch, presidente do Pontifício Conselho para a Promoção da Unidade dos Cristãos, numa conferência inter-religiosa no Instituto Woolf da Universidade de Cambridge, disse: “Nós temos a missão de converter a todos os que pertencem a religiões não cristãs”.

“Precisamos converter, acima de tudo, os que usam da violência, porque, quando uma religião usa a violência para converter os outros, estamos diante do abuso da religião”, acrescentou o purpurado.

Bastou o uso da palavra “converter” para que se desencadeasse um grande tumulto. O diretor da sala de imprensa do Vaticano interveio para “esclarecer” que o Cardeal, ao dizer “converter”, pretendia dizer outra coisa e que tudo era invenção da imprensa.

Contudo, o que o cardeal tinha ecoado era o ensinamento de Cristo: “convertei-vos para serem apagados os vossos pecados”. (Atos dos Apóstolos 3, 19) .

O mesmo que o Espírito Santo clamou pela boca dos profetas: “Convertei-vos! Renunciai a todas as vossas faltas! Que não haja mais em vós o mal que vos faça cair. Repeli para longe de vós todas as vossas culpas, para criardes em vós um coração novo e um novo espírito. (...) Convertei-vos, e vivereis!” (Ezequiel, 18,30-32).

Positivamente, não há apenas o fanatismo jihadista, mas também o ecumenista!
“The Guardian” cita Johannes, um iraniano que mora em Viena e que narrou ao jornal como e por que se converteu. Nascido em família muçulmana, ele se chamava Sadegh.

Na universidade, Johannes começou a se interrogar sobre as raízes do Islã. E afirma: “Descobri que a história do Islã era totalmente diferente do que eu tinha aprendido na escola. Comecei a pensar que talvez fosse uma religião que se estabeleceu pela violência.

“Mas uma religião que dá os seus primeiros passos com a violência não pode levar as pessoas à liberdade e ao amor. Jesus Cristo disse que quem fere com espada, com espada perece. Isso realmente mudou a minha forma de pensar”.

Johannes começou a se converter no Irã, mas logo percebeu que lhe seriam infligidas as cruéis penas que o Islã prescreve contra os “apóstatas”: torturas e morte.

A Conferência Episcopal Austríaca alertou para o perigo de conversões insinceras, fingidas, para tirar um visto no país. Fingimentos sempre houve, como foi o caso de Simão o Mago nos tempos apostólicos (Atos 8:9-24), e requerem cautela.

Mártires na Síria. Vale mais do que nunca o dito: 'O sangue dos mártires é semente de cristãos'.
Mártires na Síria. Vale mais do que nunca o dito: 'O sangue dos mártires é semente de cristãos'.
Mas esse não é o caso geral. Na Alemanha, o Pe. Martens, que só batiza muçulmano, depois de três meses de catequese, narrou: “Muitos são mesmo atraídos pela mensagem cristã, que muda a sua vida”. Os que nunca mais põem os pés na igreja depois da suposta conversão chegam a cerca de 10%, explicou.

As conversões sinceras como a de Johannes acontecem até em países onde pareceria impossível. Na Arábia Saudita, por exemplo, o número de cristãos está crescendo, apesar da proibição de quaisquer cultos que não o Islã oficial.

É um crescimento em segredo, sob o medo da execução capital, mas real. A organização Open Doors (Portas Abertas), criada para defender os cristãos perseguidos em todo o mundo, revelou o fenômeno entre os sauditas.

O exemplo citado é o de Mohammed (nome fictício), que se converteu ao Cristianismo depois de obter informações na internet. Ele conheceu cristãos de fora das fronteiras do reino saudita e, tendo viajado para outro país do Oriente Médio, pela primeira vez na vida entrou numa igreja e começou a estudar a Bíblia.

Depois de alguns dias, perguntado sobre quem era Jesus, ele respondeu: “É meu salvador, é meu Deus”. Recebeu o batismo antes de voltar para casa, sem que ninguém soubesse.

Nabil Qureshi escreveu o livro Buscar Alá, encontrar Jesus. Quando jovem ele viveu no Ocidente, onde era continuamente alertado contra os “riscos de contaminação” dos cristãos.

Perseguição e guerra na Síria reafervora católicos.
Perseguição e guerra na Síria reafervora católicos.
“Os primeiros versos do Alcorão que memorizávamos na mesquita proclamam que Deus não é pai nem filho. Já o recitávamos aos seis anos de idade. Também aprendemos que Maomé foi o maior mensageiro de Deus e que nunca viveu neste planeta nenhum homem mais perfeito do que ele. Não é difícil entender como eu me tornei um ferrenho opositor da Trindade”, ri ele hoje.

Mas Qureshi discutia com seu amigo cristão David. Não faziam ecumenismo, mas sim polêmica e briga de bom nível teológico. Num certo momento, o seguidor de Maomé acabou concluindo:

“A visão cristã de Jesus é muito mais coerente do que a visão dos muçulmanos sobre o Nazareno. Eles podem ver que o islã foi construído sobre bases muito fracas do cristianismo. E podem parar de afastar as pessoas de Jesus, passando a anunciar o Evangelho. Foi o que aconteceu comigo. É o que pode acontecer com eles”.

Dom Bechara Boutros Raï, Patriarca de Antioquia dos Maronitas, havia explicado em 2012: “Constatamos, entre os muçulmanos, conversões secretas ao Cristianismo”.

Dom Raï falou do futuro advento de uma “primavera cristã”.

No Marrocos, triplicou em quinze anos a presença cristã. Os neófitos pertencem principalmente às classes médias altas, que veem no Cristianismo uma religião oposta ao Islã, demasiado restritivo e associado à ignorância.

O médico Abdul al Halim explicou que o credo muçulmano é a religião de Estado e por isso “somos forçados a rezar como se fôssemos uma associação secreta. Tivemos até que nos dividir em dois grupos para não chamar a atenção”. E ainda assim seu número triplicou!

Segundo o Patriarcado Latino de Jerusalém, as conversões ao Cristianismo no Egito repetem o mesmo esquema: não há números exatos porque “quem se converte sofre o risco de processos judiciais ou mesmo de morte, caso a conversão se torne pública”.

Convertidos entram na 'Igreja das Catacumbas' para não serem mortos pelo Islã.
Convertidos entram na 'Igreja das Catacumbas' para não serem mortos pelo Islã.
Há, portanto uma “Igreja das catacumbas”, segundo esse Patriarcado, “para se proteger das vinganças das comunidades de origem dos novos cristãos”, leia-se dos muçulmanos.

Mas como isso pode ser possível quando assistimos a tantos maus exemplos vindos também do clero e de seus hierarcas?

O Patriarcado Latino de Jerusalém explica: o fator que desencadeia o processo de crescimento da Igreja é o mesmo dos primórdios do Cristianismo.

Na perseguição, disse, quando a conversão parece mais improvável e mais perigosa, a mensagem de Cristo vai abrindo o caminho. E é justamente nisto que pensam os cristãos: eles são perseguidos, mas não obstante são encorajados a estender a sua Igreja, que cai, mas se levanta toda vez”.

Não era hora de uma grande cruzada de orações por esses irmãos na Fé que estão se convertendo sob a ameaça de violências, saques e morte cruel por parte do Islã?

Onde estão os pregadores convidando os fiéis a rezarem e oferecerem sacrifícios gratos a Deus pelos novos irmãos na Fé que estão ingressando na Santa Igreja Católica Romana, a única verdadeira, desafiando cruéis punições e até a perda da vida?

Veja também: Cristianismo cresce no Irã, apesar a perseguição fundamentalista


quinta-feira, 28 de julho de 2016

Dói o silêncio do Papa

No fundo: a igreja de Saint-Etienne du Rouvray, cenário do sacrílego crime islâmico. Na frente: crucifixo na igreja de St-Vincent em Baux-de Provence.
Fundo: igreja de Saint-Etienne du Rouvray, local do sacrílego crime islâmico.
Na frente: crucifixo na igreja de St-Vincent em Baux-de Provence.
Roberto de Mattei
(1948 - )
professor de História,
especializado nas ideias
religiosas e políticas no
pós-Concilio Vaticano II.




O primeiro mártir do Islã em terra da Europa tem um nome.

É o padre Jacques Hamel, assassinado enquanto celebrava a Santa Missa no dia 26 de julho, na igreja paroquial de Saint-Etienne-du-Rouvray, na Normandia.

Dois muçulmanos exaltando o Islã invadiram a igreja, e depois de tomar alguns fiéis como refém, degolaram o celebrante e feriram gravemente outro fiel.

Sobre a identidade dos agressores e o ódio anticristão que os moveu não pairam dúvidas.

Em sua agência de notícias Amaq, o Estado Islâmico definiu os dois assaltantes de “nossos soldados”.

O nome de Jacques Hamel se soma ao de milhares de cristãos que todos os dias são queimados, crucificados, decapitados em ódio à sua fé.

Mas o massacre de 26 de julho marca uma guinada, porque é a primeira vez isso que acontece na Europa, lançando uma sombra de medo e consternação nos cristãos do nosso continente.

Obviamente não é possível proteger 50.000 edifícios religiosos na França, e um análogo número de igrejas, paróquias e santuários na Itália e em outros países.

Cada sacerdote é objeto de eventuais ataques, destinados a se multiplicarem, sobretudo após o efeito emulativo engendrado por esses crimes.

“Quantas mortes são necessárias, quantas cabeças decepadas, para que os governos europeus compreendam a situação em que se encontra o Ocidente?”perguntou o cardeal Robert Sarah.

Saint-Etienne-du-Rouvray: a dor dos fiéis é a dor de todos os católicos do mundo.
Saint-Etienne-du-Rouvray: a dor dos fiéis é a dor de todos os católicos do mundo.
O que precisa acontecer, podemos acrescentar, para que os confrades do Cardeal Sarah no colégio cardinalício, a começar pelo seu líder supremo, que é o Papa, compreendam a terrível situação em que se encontra hoje não só o Ocidente, mas a Igreja universal?

O que torna esta situação terrível é a política de boas-intenções e de falsa misericórdia em relação ao Islã e a todos os inimigos da Igreja.

Os católicos devem naturalmente rezar pelos seus inimigos, mas devem também estar cônscios de que não basta se limitarem a rezar, pois têm também o dever de combatê-los.

É o que ensina o Catecismo da Igreja Católica no n° 2265, quando diz que a legítima defesa pode ser um dever grave para o responsável pela vida de outrem:

“Defender o bem comum implica colocar o agressor injusto na impossibilidade de fazer mal”.

O Papa Francisco se disse “especialmente chocado por este ato de violência acontecido em uma igreja, durante uma missa, ação litúrgica que implora de Deus a sua paz para o mundo”, renunciando mais uma vez a chamar os assassinos pelo nome.

O silêncio do Papa Bergoglio é paralelo ao dos muçulmanos de todo o mundo que não denunciam com voz alta, em uníssono e coletivamente, os crimes cometidos em nome de Alá pelos seus correligionários.

Saint-Etienne-du-Rouvray, o Pe. Hamel não está mais e o Papa parece não lembrar que muitos outros são visados pelo Islã.
Saint-Etienne-du-Rouvray, o Pe. Hamel não está mais
e o Papa parece não lembrar que muitos outros são visados pelo Islã.
No entanto, até mesmo o presidente francês François Hollande, em seu discurso à nação na noite de terça-feira, falou de uma guerra aberta da França contra Estado Islâmico.

Durante o seu pontificado, o Papa beatificou com procedimentos super-rápidos algumas personalidades do século XX, como Oscar Arnulfo Romero e Don Pino Puglisi, que certamente não foram mortos em ódio à fé católica.

Mas, em 12 de maio de 2013, também canonizou na Praça de São Pedro os oitocentos mártires de Otranto, massacrados em 11 de agosto de 1480 pelos turcos, por se recusarem a renegar a sua fé.

Se o Papa Francisco anunciasse o início de um processo de beatificação do padre Hamel, daria ao mundo um sinal pacífico, mas forte e eloquente, da vontade da Igreja de defender a sua própria identidade.

Se, no entanto, continuar a se iludir com a possibilidade de um acordo ecumênico com o Islã, repetir-se-ão os erros daquela desastrosa política que sacrificou as vítimas da perseguição comunista nos altares da Ostpolitik.

Mas o altar da política é diferente da mesa sagrada sobre a qual se celebra o sacrifício incruento de Cristo, e a esse sacrifício o padre Jacques Hamel teve a graça de unir-se em 26 de julho, oferecendo o próprio sangue.


(Fonte: “Il Tempo”, Roma, 27-7-2016).


Matéria traduzida do original italiano por Hélio Dias Viana.


terça-feira, 26 de julho de 2016

Pe. Jacques Hamel R.I.P.: o crime revelador do Islã,
e não só do Islã...

Padre Jacques Hamel R.I.P., degolado na Missa por imigrantes islâmicos
Padre Jacques Hamel R.I.P., degolado na Missa por imigrantes islâmicos
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






Vivamente impactados pelo brutal e sacrílego assassinato do Pe. Jacques Hamel, oferecemos a nossos leitores uma tradução livre do inteligente e vibrante comentário de Antoine Burckhardt publicado em seu blog Civilisation Chrétienne. 









O martírio do Pe. Hamel: o tormento dos cristãos orientais agora é o nosso



A ameaça se realizou. Um padre foi degolado por muçulmanos enquanto celebrava a missa. Isso não aconteceu no Iraque, na Nigéria ou no Paquistão, mas numa pequena cidade da Normandia, sob o céu macio da nossa França como diz a canção.

Alguns estão atônitos face ao horror e se perguntam: por que nós? Por que um padre? Por que um homem de 86 anos?

E eles não saem do atordoamento: o padre Hamel mantinha relações amigáveis com a comunidade muçulmana. A mesquita de Saint-Etienne du Rouvray foi construída num terreno oferecido pela paróquia da cidade, informou “Le Point”. 

O medo é legítimo e atinge a todos nós, mas a surpresa é no fundo uma grave falta nossa.

Durante anos, nós, os cristãos ocidentais, vínhamos sendo avisados pelos nossos irmãos orientais que conhecem o furor islâmico há séculos.

Em 10 de agosto de 2014, o arcebispo de Mosul, Iraque, Mons. Amel Nona advertiu os europeus numa entrevista ao “Corriere della Sera”:

Policial diante da prefeitura de Saint-Etienne du Rouvray após o crime anunciado. D. Amel Nona: “vós vos tornareis vítimas do inimigo que recebestes em vossa casa”
Policial diante da prefeitura de Saint-Etienne du Rouvray após o crime anunciado.
D. Amel Nona: “vós vos tornareis vítimas do inimigo que recebestes em vossa casa”
Nosso·sofrimento hoje constitui o prelúdio daquele que os europeus ocidentais e cristãos vão sofrer no futuro próximo (...) vós acolheis em vossos países um número crescente de muçulmanos. (...) Vós deveis assumir posições fortes e corajosas (...) vossos valores não são os valores deles (...) Se vós não percebeis em tempo, vós vos tornareis vítimas do inimigo que recebestes em vossa casa”.

Mas, a Europa e o mundo cristão adormecido ficaram surdos às previsões do arcebispo Nona. Agora elas se tornaram realidade.

A agradável esplanada do restaurante, o belo passeio à beira-mar e agora uma pequena igreja provincial: já não há na França refúgio para se proteger do ódio dos islâmicos.

O arcebispo de Rouen apelou para a fraternidade e as mais altas autoridades do Estado invocaram a unidade nacional. Mas esses apelos humanistas não vão ajudar.

Os nossos algozes, escreve Burckhardt, querem nos apresentar sua própria interpretação da palavra “Islã”. E, em verdade, é uma versão única de arma na mão pingando nosso sangue. É claro que eles acham que em parte já ganharam.

O nosso hino nacional já não é cantado com vibração. A hierarquia eclesiástica descreve também como “vítimas” àqueles que vêm de assassinar brutalmente um de seus ministros, como diz o comunicado do arcebispo no site da diocese “Rouen Catholique”.

As sociedades doentes batem em aqueles que identificam a doença e receitam o remédio. Cantam as doçuras do “viver juntos”, mas falam com virulência sem precedentes contra os fabricantes de “ódio” e os semeadores de “divisão”, leia-se contra você e eu, que não aguentam mais tanta felonia.

Fim do Ramadan intercultural na igreja de Saint-Jean-Baptiste em Molenbeek, presidida pelo pároco e os imames do bairro dos terroristas
Fim do Ramadan intercultural na igreja de Saint-Jean-Baptiste em Molenbeek,
presidida pelo pároco e os imames do bairro dos terroristas
Abre-se as igrejas para a comemoração do Ramadã, como fez a igreja de São João Batista, no bairro de Molenbeeck, Bruxelas, bairro de onde tinham saído os assassinos que poucos meses antes ceifaram dezenas de vidas no aeroporto e no metrô da capital belga. O ágape ecumênico foi noticiado pelo site da Igreja Católica na Bélgica.

Não há lugar para famílias cristãs mas sim para famílias muçulmanas no avião papal. Veja-se a notícia do “Le Journal du Dimanche”.

Saudamos como libertadores dos nossos “vícios” consumistas e capitalistas aqueles que vêm para tomar posse da terra de nossos antepassados. Ver por exemplo.

Finalmente, se nos inocula tranquilizantes confeccionados com argumentos ridículos: todos os muçulmanos não são terroristas, alguns deles estão entre as vítimas...

Sim, nem todos os muçulmanos são terroristas, mas todos aqueles que atualmente proclamam agressivamente o Islã, o são sem sombra de exceção.

Terão os jihadistas necessidade de uma insurreição geral da população muçulmana na Europa para atingir seus objetivos numa guerra civil?

Passeata de muçulmanos no Reino Unido
Passeata de muçulmanos no Reino Unido
Não. Eles só precisam do silêncio benevolente mas cúmplice – inclusive discreto – de sua comunidade e da passividade da nossa.

Alguns europeus exasperados pela incapacidade dos nossos governos poderão se envolver por sua vez em abusos visando muçulmanos.

Então surgirá entre eles a “necessidade” de uma unidade entre “moderados” e radicais de todas as arestas.

Aqueles que atualmente são 15% da nossa população serão tratados como se fossem a metade.

Para o retorno da “paz civil”, os muçulmanos serão sistematicamente aceitos em “diálogos de paz” que irão moldar o futuro dos nossos filhos.

O contador populacional vai continuar fazendo seu trabalho, o afluxo de “refugiados” prosseguirá, e então nós nos abaixaremos para agradecer a tolerância que os “mais moderados” vão mostrar para nós.

O rei muçulmano Boabdil entrega as chaves de Granada à rainha e ao rei Fernando de Aragão, seu esposo. Francisco Pradilla y Ortiz (1848–1921).
O rei muçulmano Boabdil entrega as chaves de Granada à rainha Isabel
e ao rei Fernando de Aragão, seu esposo.
Francisco Pradilla y Ortiz (1848–1921).
Se quisermos evitar esse cenário dantesco, é em Isabel a Católica expulsando os mouros de Granada que devemos procurar inspiração tão rapidamente quanto possível.

Caso contrário, a Europa em breve conhecerá o destino das cristandades outrora florescentes no Norte de África: em algumas décadas ela irá integrar o sinistro mundo regido pelo Corão e pela cruel lei islâmica, a Sharia.


terça-feira, 19 de julho de 2016

Mexicanos pro-família não temem ameaças
e derrotam “casamento” homossexual

A coalizão Juntos por México obteve grande triunfo fazendo convergir esforços de 70 associações
A coalizão Juntos por México obteve grande triunfo
fazendo convergir os esforços de 70 associações
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs




Nas eleições estaduais mexicanas, os movimentos pró-vida pesaram decisivamente nos resultados, noticiou o jornal espanhol “El País”.

Carlos Valles Ayoub, um dos líderes da coalizão Juntos por México, integrada por 70 associações conservadoras de leigos como a Ação Católica e Adoradores Noturnos, entre outras, explicou o que eles queriam:

“Queremos que os católicos parem de aquecer os bancos das igrejas e saiam para lutar por aquilo em que acreditamos”.

Valles calcula que sua coalizão reúne em 20 cidades quatro milhões de pessoas. Em maio, lançou o site Voto Católico, que informava sobre as posições dos candidatos a respeito de temas como aborto e “casamentos” homossexuais.

Segundo ele, essa militância católica beneficiava indiretamente o partido conservador de oposição PAN, e outras opções políticas que defendiam a vida.

O PAN venceu as eleições em sete dos doze Estados disputados. O grande derrotado foi o partido do presidente Peña Nieto. O mandatário foi objeto de toda espécie de recriminação de seus colegas partidários, por tentar modificar a Constituição com vistas a legalizar o “casamento” homossexual, ponto sobre o qual incidiu a campanha católica.

Após as eleições, o boletim da Arquidiocese da Cidade de México publicou um editorial com o título “Merecido voto de castigo”, criticando a proposta “destruidora da família”, contra a qual, aliás, o episcopado mexicano fez bem pouco.

Nossa Senhora de Guadalupe padroeira do México e das Américas
Nossa Senhora de Guadalupe padroeira do México
e de América
O importante jornal “El Universal” apontou que pelo menos seis bispos fizeram algo nesse ponto. Em revide, Miguel Ángel Osorio Chong, secretário do Interior, falou em castigar os membros da Igreja que tenham feito proselitismo na campanha eleitoral.

A Constituição mexicana, ainda profundamente laicista, proíbe os religiosos de intervir na política. Mas o problema em questão não era político, mas moral e religioso.

E os católicos leigos demonstraram ter mais amor e coragem pela moral e pela religião do que os próprios eclesiásticos.

Francisco Bolívar, outro porta-voz de Juntos por México, sem medo das ameaças governamentais, também garantiu que a coalisão “influiu” nas eleições.

Outras inciativas civis também convergiram na boa tarefa de Juntos por México, como as de Red Familia, Con Familia e Unión Nacional de Padres de família.

Elas preparam agora uma nova ofensiva, com idêntico destemor: “Estamos trabalhando na guerra que vem: a aprovação nos Legislativos estaduais das iniciativas pelo ‘casamento’ homossexual, que de momento haviam sido adiadas. Não abaixaremos a guarda”, disse Valles.

“Vamos nos preparar para as eleições de 2017 e 2018”, acrescentou corajosamente.

Os líderes de Juntos por México não se detêm aí. Eles garantem que preparam uma nova opção que quebre o paradigma político dos mesmos partidos e dos mesmos jogos de falsas oposições.

“A meta é nos organizarmos para oferecer uma nova proposta católica na política”, asseverou Valles.

Ele não afasta a ideia de que eventualmente se forme um novo partido cujas zonas de influência ficaram definidas nas últimas eleições: os estados de Veracruz, Puebla, Guanajuato, Querétaro, e ainda outros.

“Este é o despertar dos católicos”, completou.


sexta-feira, 15 de julho de 2016

Exorcista: “Satanás atrás dos atentados islâmicos”

Padre Gabriele Amorth, exorcista oficial da diocese de Roma:
“Satanás impulsiona o Estado Islâmico, com certeza”
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs



Os recentes atentados de Nice e Bruxelas, como os do fim do ano passado em Paris e as tentativas massivas de violação de mulheres em cidades da Alemanha e do norte da Europa no Réveillon obedecem a um objetivo: erradicar o cristianismo do mundo apagando seus últimos restos já tão diminuídos.

Nos casos citados da Europa o caráter estritamente religioso da ofensiva de crimes não aparece tão claramente, pois os atentados visam o comum dos cidadãos indiscriminadamente.

O islamismo mais moderno age diante das imagens dos velhos demônios dos templos pagãos desertos como um anjo das trevas que surge das cavernas mais escuras do inferno atropelando os seus cúmplices de menor posição.

E se volta contra o mundo ocidental que ainda pode ser chamado de cristão mais por causa do passado de que pelo presente, com o mesmo furor destruidor supra-humano.

Segundo o padre Amorth, exorcista de Roma, nas violências inauditas e nas perseguições contra os cristãos praticadas pelo Estado Islâmico, é perceptível a garra do demônio.

“Il Giornale” de Milão, perguntou ao exorcista se o pessoal do Estado Islâmico estava sendo então inspirado por Satanás, ao que o Pe. Amorth respondeu:

O atentado de Nice (14.07.2016) foi o mais recente e, infelizmente, tal vez não foi o último, do furor de Satanás impulsionando o anticristianismo
O atentado de Nice (14.07.2016) foi o mais recente e, infelizmente,
tal vez não foi o último, do furor de Satanás impulsionando o anticristianismo
“Com certeza! Onde está o mal, está sempre o demônio por trás incitando. Qualquer forma de mal, grande ou pequena, sempre é sugerida pelo diabo”.

– O Sr., com seus 90 anos continua fazendo exorcismos?

– “Agora faço pelo menos dois ou três ao dia, antes chegava a fazer 15, inclusive nas datas de Natal e Páscoa. Há alguns anos calculei ter feito cerca de 70.000 exorcismos. Talvez até mais”.

– Ficam poucos exorcistas?

– “Infelizmente. Com frequência os primeiros que não acreditam no demônio são os bispos que não estão nomeando novos exorcistas.

“Ontem eu falava com um exorcista, o Pe. Vincenzo, que me dizia que havia uma fila de 40 pessoas aguardando ser exorcizadas. Eu escrevi uma carta ao Papa Francisco pedindo-lhe que permitisse a todos os sacerdotes praticar exorcismos”.

– E o Papa respondeu?

 – “Enviou-me resposta por meio do Vigário da diocese de Roma dizendo que não se podem mudar as coisas de um dia para outro. São necessários demorados procedimentos e regras a ser cumpridos”.

Estado Islâmico: novos demônios irrompem no cenário mundial.
Estado Islâmico: novos demônios irrompem no cenário mundial.
– Este Papa fez exorcismos?

– “Não me consta. Ratzinger e Wojtyla sim”.

– Hoje há um sucessor para o Padre Amorth?

– “Há a Associação Internacional dos Exorcistas que eu fundei e da qual sou o presidente honorário. Hoje tem como presidente o Padre Francesco Bamonte, que também é exorcista. Entreguei a ele mais de dois quilos de coisas que me cuspiram os endemoninhados: chaves, cacos de vidro, pedaços de correntes, pregos”.

– Mas cuspiam esses objetos pela boca? 

– “Sim, sem jamais se ferirem. Eu pude tocar com a mão esses objetos que se materializavam na boca dos endemoninhados no momento de cuspi-los.

“Vivi muitos episódios estranhos, casos de levitação de gente que se elevava pelo menos meio metro do chão, que caminhava pelas paredes como se não existisse lei da gravidade”.

Prossegue o experiente Pe. Amorth: 

“E depois pessoas que falavam línguas como foi o caso certa vez de um camponês que apenas falava italiano e começou a perorar em inglês e em latim.

“Certa vez uma religiosa começou a se arrastar pela igreja como uma cobra, passando sob os bancos sem mudá-los um centímetro de local”.


segunda-feira, 11 de julho de 2016

O astronauta que levou o Santíssimo para o espaço

Coronel e astronauta Michael S Hopkins.
Coronel e astronauta Michael S. Hopkins.
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs



Na Estação Espacial Internacional, apesar de estar cheia de equipamentos robóticos, há um ambiente especialmente procurado.

Trata-se da “Cúpula”, um pequeno módulo com sete janelas, de onde os membros da tripulação podem apreciar espetaculares vistas panorâmicas do nosso planeta, noticiou a agência Aleteia.

O astronauta americano Michael S. Hopkins, “Mike”, coronel católico pertencente à Força Aérea, desejava ansiosamente ir à Cúpula, porque o que via lá o deixava maravilhado.

“Quando você vê a Terra daquela perspectiva e observa toda a beleza natural que existe, é difícil não querer ficar lá e concluir que tem que haver uma força suprema que criou tudo isso“, declarou.

E, para surpresa de muitos, em 2013, na Cúpula, Mike rezava e… comungava!

Isso porque, graças a um acordo especial com a arquidiocese de Galveston-Houston e a ajuda do Pe. James H. Kuczynski, pároco da igreja de Santa Maria Rainha em Friendswood, Texas, o astronauta, que é fiel daquela paróquia, pôde levar consigo uma píxide com seis hóstias consagradas, explicou Aleteia.

terça-feira, 21 de junho de 2016

Clareza! O exemplo de uma médica católica
no Sínodo dos Bispos 2015

No Sínodo sobre a família 2015, a Dra. Anca-Maria Cernea apresentou posição admirável pela clareza que está faltando na 'Amoris Laetitiae'
No Sínodo sobre a família 2015, a Dra. Anca-Maria Cernea
apresentou posição admirável pela clareza
que está faltando na 'Amoris Laetitiae'
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs




A Dra. Anca-Maria Cernea, Presidente da Associação dos Médicos Católicos de Bucareste (Romênia) durante o passado Sínodo sobre a família, em outubro de 2015, apresentou ao Papa Francisco e aos bispos uma posição admirável pela clareza e fidelidade ao ensinamento da Igreja sobre a família, aplicada às complexidades das circunstâncias atuais.

A clareza!

Hoje cada vez a grei católica sofre pela falta de clareza naquele Sínodo e pela confusão que vem suscitando a Exortação Pôs-sinodal “Amoris Laetitiae” no mundo.

Eis as palavras da corajosa médica, segundo a Sala de Imprensa da Santa Sé:

“Sua Santidade, Padres Sinodais, irmãos e irmãs, eu represento a Associação dos Médicos Católicos de Bucareste.

Eu pertenço à Igreja Católica Greco-Romena.

Meu pai era um líder político cristão, e foi preso pelos comunistas por 17 anos. Meus pais estavam prestes a se casar, mas seu casamento aconteceu 17 anos depois.

Minha mãe esperou todos esses anos pelo meu pai, embora ela nem sabia se ele ainda estava vivo.

Eles foram heroicamente fieis a Deus e a seu compromisso.

O exemplo deles mostra que a graça de Deus pode superar as terríveis circunstâncias sociais e pobreza material.

Nós, como médicos católicos, defendendo a vida e a família, podemos ver que isso, antes de tudo, é uma batalha espiritual.

A pobreza material e o consumismo não são a causa principal da crise da família.

A principal causa da revolução sexual e cultural é ideológica.

Nossa Senhora de Fátima disse que os erros da Rússia se espalhariam por todo o mundo.

terça-feira, 31 de maio de 2016

A Conferência Episcopal Alemã vai obrigar os sacerdotes a cometer sacrilégio?

A Conferência Episcopal Alemã vai obrigar os sacerdotes a cometer sacrilégio?
A Conferência Episcopal Alemã vai obrigar os sacerdotes a cometer sacrilégio?




A publicação da Exortação Apostólica “Amoris Laetitia” levou a maioria dos sacerdotes e teólogos considerados conservadores a tratar da seguinte questão: apresenta este documento uma ruptura com a tradição e com o Magistério católico?

A opinião dominante é que nada teria mudado e que o Papa Francisco não quis modificar nada na doutrina da Igreja no que se refere ao matrimônio e à moral sexual.

Igualmente não teria havido qualquer mudança no que diz respeito à questão da admissão dos católicos recasados à comunhão.

Essa avaliação da “Amoris Laetitia” está em contraste com as declarações de diversas Conferências Episcopais, bem como de altos Prelados, como o Cardeal Walter Kasper. Íntimo confidente do Papa, ele afirmou numa entrevista que Francisco teria aberto as portas para a comunhão de divorciados recasados.

terça-feira, 24 de maio de 2016

O progressismo diante de um dilema após a publicação da Exortação “Amoris laetitia”

O Cardeal Lehmann no carnaval de Aquisgrão. Os católicos de esquerda desejam que a Igreja Católica se aproxime fortemente ao mundo
O Cardeal Lehmann no carnaval de Aquisgrão. Os católicos de esquerda
anseiam que a Igreja Católica se aproxime fortemente ao mundo






Frankfurt — Em entrevista ao “Frankfurter Rundschau”, diário alemão de orientação esquerdista, o Cardeal Karl Lehmann constata decepcionado que o documento Amoris laetitia alcançou repercussão bastante moderada na Alemanha:
“Se atento para o eco público da carta papal ‘Amoris laetitia’, constato um rápido desinflar do interesse. Na verdade, hoje em dia as ondas de interesse suscitadas pela mídia vêm e voltam no total, numa sequência cada vez mais curta. Razão a mais para que os teólogos nas universidades e as publicações especializadas se ocupem do texto.

Do contrário não passará de um golpe desferido na água. Até agora o distanciamento dos teólogos tem-me decepcionado e preocupado. O fato de o próprio Papa afirmar que lhe importa mais a pastoral do que a dogmática, isso não dispensa a teologia de continuar a pensar.”
A reação na Alemanha descrita pelo Cardeal Lehmann é consequência de diferentes expectativas e perspectivas existentes no chamado progressismo católico desde o seu início.

terça-feira, 17 de maio de 2016

O segredo de uma cidade sem divórcios

Siroki-Brijeg, cidade da Bósnia e a Cruz
Plinio Maria Solimeo
ABIM
Nestes tempos tão decadentes em que vivemos, nos quais todo sentimento religioso e moral praticamente desapareceu, uma das instituições mais atingidas pela crise é a família, reduzida infelizmente a frangalhos.

O número de divórcios é avassalador — calcula-se que quase 50% dos casamentos se desfazem —, sem falar das uniões ilícitas, que se tornaram hoje um hábito corriqueiro e aparentemente sem consequências.

Por isso é salutar saber que — pasmem os leitores! —, apesar da malícia dos tempos, há uma cidade no mundo que não se entregou à depravação universal, e na qual os vínculos da família são tão fortes, que nela não há registros de divórcios.

Essa cidade privilegiada é Siroki-Brijeg, na Bósnia, país da Península Balcânica que fez parte da antiga Iugoslávia no período comunista, seus aproximados 26 mil habitantes, de origem croata, sempre foram aguerridos na defesa de sua fé católica, mesmo diante das piores adversidades.

terça-feira, 10 de maio de 2016

Milagres de Nossa Senhora e do Santíssimo Sacramento
no terremoto do Equador

Nossa Senhora de Monserrate saiu indene do terremoto, Montecristi
Nossa Senhora de Monserrate saiu indene do terremoto, Montecristi
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs



Uma imagem de Nossa Senhora de Monserrate emergiu intacta das ruínas da torre de uma igreja a ela consagrada na cidade de Montecristi, no Equador, durante o terremoto de abril, emocionando os fiéis.

Não só a imagem, mas também seu vestido de ouro e sua pequena coroa – símbolo de sua realeza – saíram totalmente intactos.

Nossa Senhora de Monserrate chegou a Montecristi no século XVI, trazida por missionários espanhóis e já tinha sobrevivido a assaltos de piratas e a investidas de governos anticlericais.

Agora, o jornal “The New York Times” conta que ela está atraindo mais fiéis que os milhares que nos meses de novembro vão venerá-la em sua festa.

A imagem de Nossa Senhora de Monserrate tornou-se um símbolo da proteção divina que nunca desfalece.

“Ela é a mãe que cuidou de nós no terremoto”, dizia o pároco Pe. Ángel Toaquiza. “E que ela tenha ficado intacta foi necessário nada menos que um milagre”, acrescentou.

Da igreja nada ficou e o número dos mortos atingiu várias centenas.

terça-feira, 26 de abril de 2016

Na Rússia só fica uma escola católica legal

Típico primeiro dia de aula na Escola Franciscana da Natividade de Novosibirsk.
Típico primeiro dia de aula na Escola Franciscana da Natividade de Novosibirsk.
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs



Em todas as áreas religiosas do mundo – pagãs, muçulmanas, fetichistas, etc., etc. – há escolas católicas mantidas por Ordens religiosas ou por missionários, às vezes com heroicos esforços. As escolas católicas têm prestigio até em países insólitos.

Por isso elas atraem uma multidão de muçulmanos no Paquistão e na Jordânia, de hinduístas na Índia ou no Nepal, de taoístas e agnósticos em Taiwan, e de ateus até em países comunistas como o Vietnã.

Mas na Rússia de Vladimir Putin não podem existir. Elas são fechadas por via policial ou ameaças de origem oficial. Na Rússia, país de 143 milhões de habitantes que ocupa a sexta parte das terras emergidas, a única exceção é a escola infantil católica de Novosibirsk, na Sibéria, informou o site “Religión en Libertad”.